quinta-feira, 15 de Setembro de 2011

Boletins meteorológicos, leitura e interpretação



Muitos dos aforismos meteorológicos utilizados pelos navegadores, são úteis e estão relacionados com as sequências de alterações de vento, meteorologia, nuvens e pressão.

“Quando o vento ronda no sentido
anti-horário, e o mercúrio do barómetro
cai, prepara-te, pois aproximam-se
tempestades e borrasca.”

O aforisma acima, combina os sinais de uma queda de pressão e de vento a rondar no sentido anti-horário, para fornecer uma indicação muito fiável de ventos fortes integrando uma depressão que se aproxima.

Parece-me a melhor forma de dar o pontapé de saída para o próximo bordo, que terá haver, naturalmente, com meteorologia.

Não pretendo uma abordagem muito profunda, mas relembrar e sistematizar alguns conceitos que são demais importantes, quer para a leitura e interpretação dos boletins meteorológicos, leitura de cartas de tempo ou mesmo construir a nossa própria carta de tempo.

Assim, nada como começar por alguns conceitos básicos, fontes e definições.

Para se fazer previsões meteorológicas com rigor e com um ou mais dias de antecedência é essencial ter em consideração o que está a acontecer nas diversas partes do mundo.
Desta forma, informações detalhadas sobre vento, pressão, temperatura, etc, são recolhidas por largos milhares de estações em terra, no mar e balões, para posterior processamento e desenho das referidas previsões.
Esta imensa quantidade de informação coordenada, processada e analisada pela OMM (Organização Mundial de Meteorologia http://www.wmo.int/pages/index_en.html), provavelmente a mais eficiente das agencias das Nações Unidas.

As fontes das informações meteorológicas são variadas no formato e com objectivos destintos. Por rádio e televisão temos previsões e informação para o público em geral. Não é de todo suficiente para que pretende se fazer ao mar.

Na Europa consegue-se ter informação muito detalhada publicada em listagens pelos próprios países sobre as suas zonas costeiras e oceânicas, bem como nos EUA, entre outros.
Para as zonas que não tem esta cobertura, há serviços, nomeadamente online que dispõe desta informação a nível mundial, com maior ou menor detalhe, consoante as zonas. Detalhes sobre horas, as frequências e o conteúdo dos principais serviços por rádio, telefone ou fac-símile, podem ser encontrados nas listas das rádio ajudas.

O NAVTEX proporciona uma recepção automática a bordo, numa única frequência internacional – 518 kHz – de uma previsão marítima impressa, duas vezes por da, e de aviso de tempestade relevantes assim que são promulgados.
A informação inclui avisos de navegação entre outros e está disponível na maior parte do mundo. Os detalhes sobres as transmissões, horas, indicadores de mensagem, etc, podem ser encontrados nas listas de rádio ajuda.
etc....

O GMDSS (Global Maritime Distress and Safety System), do qual o NAVTEX é parte integrante, fornece a bordo informação meteorológica e de segurança via satélite (Inmarsat) Standart-C. Os detalhes sobres as transmissões, horas, indicadores de mensagem, etc, podem ser encontrados nas listas de rádio ajuda.
Vários fornecedores do serviço-

Os termos da terminologia usada nos boletins meteorológicos, felizmente e em particular na componente marítima, é aceite internacionalmente.

Vou desenvolver a terminologia necessária para entender a informação meteorológica dos boletins e de onde ela vêm.

A ver alguns termos:
- uma área de baixa pressão: baixa, depressão ou ciclone ;
- uma área de alta pressão: alta ou anticiclone;
- uma crista de altas pressões, é uma extensão de alta e encontra-se muitas vezes entre duas baixas;
- um vale depressionário é uma extensão de uma baixa;
- uma frente quente é a frente principal de uma massa de ar quente que avança;
- uma frente fria é a frente principal de uma massa de ar frio que avança;
- uma frente oclusa é uma frente, quente ou fria, resultante de uma frente fria que alcança uma frente quente e empurra todo o ar quente para cima;
- uma isóbara é uma linha que liga pontos de igual pressão;
- o vento gradiente de pressão, ou apenas vento gradiente, é o vento que se mede a partir de uma carta de vento.
Vide glossário mais detalhado em Instituto de Meteorologia, IP

Diz-se que uma depressão está a cavar quando a sua pressão no centro está a baixar, sendo portanto de esperar que ocorra um aumento de vento e de chuva. Numa depressão que enche passa-se o contrário. A depressão complexa apresenta mais que um centro de baixas pressões.

Diz-se que um anticiclone está a intensificar se a depressão central estiver a aumentar, ou que está a enfraquecer, se a pressão estiver a diminuir. Se a pressão estiver a descer muito rapidamente, diz-se que está em colapso.

Definição da velocidade do movimento de uma depressão ou anticiclone:

Lento
até 15 nós
Constante
15 a 25 nós
Pouco rápido
25 a 35 nós
Rápido
35 a 45 nós
Muito rápido
mais de 45 nós

A direcção do vento é dada usando pontos da agulha ou graus e é sempre a direcção de onde o vento sopra.


- oito pontos principais, normalmente usados em previsões:
- 32 pontos correspondentes à divisão em quartas, usados em boletins de observação. Em rigor, o registo nos boletins é feito em dezenas de graus, isto é de 10 em 10 graus, enquanto a divisão em quartas corresponde a uma divisão de 11º25’;
- agulha com 360º.

Em previsões para as áreas marítimas, a intensidade do vento pode ser dada tanto na escala de Beaufort, como em nós o metros por segundo, vide quadro abaixo.
Termos usados para as previsões na intensidade do vento:

Descrição
Escala de Beaufort
Calma
0
Fraco
1 a 3
Moderado
4
Fresco
5
Forte
6 a 7
Muito forte
8


ESCALA DE BEAUFORT PARA A FORÇA DO VENTO

Força
Descrição
m/s
km/h
nós
Aspecto do mar
Efeitos em terra
0
Calma
<0,3
<1
<1
Espelhado
Fumo sobe na vertical
1
Aragens
0,3 a 1,5
1 a 5
1 a 3
Formam-se escamas na superfície
Fumo indica direcção do vento
2
Fraco
1,6 a 3,3
6 a 11
4 a 6
Formam-se pequenas cristas
As folhas das árvores movem; os moinhos começam a trabalhar
3
Bonançoso
3,4 a 5,4
12 a 19
7 a 10
Formam-se pequenas vagas, as cristas começam a rebentar
As folhas agitam-se e as bandeiras desfraldam ao vento
4
Moderado
5,5 a 7,9
20 a 28
11 a 16
Formam-se pequenas vagas com tendência a aumentar, numerosas cristas brancas.
Poeira e pequenos papéis levantados; movem-se os galhos das árvores
5
Fresco
8 a 10,7
29 a 38
17 a 21
Vaga moderada, cristas brancas em todas as direcções; alguns borrifos
Movimentação de grandes galhos e árvores pequenas
6
Muito Fresco
10,8 a 13,8
39 a 49
22 a 27
Começam a formar-se vagas grandes, aumenta o número de cristas brancas; borrifos abundantes
Movem-se os ramos das árvores; dificuldade em manter um guarda chuva aberto; assobio em fios de postes
7
Forte
13,9 a 17,1
50 a 61
28 a 33
O mar cresce e a espuma branca das vagas que rebentam começa a fazer riscos
Movem-se as árvores grandes; dificuldade em andar contra o vento
8
Muito Forte
17,2 a 20,7
62 a 74
34 a 40
Vagas de grande comprimento; a espuma das cristas é arrastada pelo vento, originando riscos muito bem marcados
Quebram-se galhos de árvores; dificuldade em andar contra o vento; barcos permanecem nos portos
9
Tempestuoso
20,8 a 24,4
75 a 88
41 a 47
Vagas muito alta, começando a enrolar, os borrifos afectam a visibilidade
Danos em árvores e pequenas construções; impossível andar contra o vento
10
Temporal
24,5 a 28,4
89 a 102
48 a 55
Vagas muito altas com cristas a ressaltar; a espuma resultante é levada pelo vento; o mar fica todo branco; a rebentação fica muito forte e provoca choques; visibilidade afectada
Árvores arrancadas; danos estruturais em construções
11
Temporal Desfeito
28,5 a 32,6
103 a 117
56 a 63
Vagas excepcionalmente altas; o mar fica coberto de longas listas de espuma que se estendem na direcção do vento; os topos das cristas das ondas são espalhados em espuma por todo o lado; visibilidade afectada
Estragos generalizados em construções
12
Furacão
>32,7
>118
>64
O ar fica cheio de espuma e borrifos; mar completamente branco com borrifos à deriva; visibilidade seriamente afectada
Estragos graves e generalizados em construções

ESCALA DE BEAUFORT PARA A VELA


Força
Descrição
1
Condições de deriva
2
Necessidade de velas grandes para apanhar brisas
3
Grandes velas
4
Reduzir velas de proa e/ou vela grande para equilibrar o barco
5
Reduzir velas de proa. Rizar a grande. O vento contra a corrente de maré, torna-se perigoso
6
Menos velas. O vento contra a corrente de maré, torna-se muito perigoso
7
Rizar vela grande e estai pequeno
8
Rizar totalmente a grande. Estai de mau tempo
9
Estai de mau tempo e vela triangular de mau tempo ou apenas estai de mau tempo
10
Condições de sobrevivência

São avisos de tempestade:
- muito forte – se estiverem previstos um crescimento da intensidade média do vento até uma força de 8 (34 nós) ou superiores, ou rajadas superiores a 43 nós, com correntes de ar instáveis e aguaceiros, podendo ocorrer rajadas superiores a 43 ou mais nós;
- tempestuoso – se o vento esperado tiver força 9 (41 nós) ou superior, ou se forem esperadas rajadas superiores a 52 nós;
- temporal – vento médio esperado tiver força 10 (48 nós) ou superior, ou se forem esperadas rajadas superiores a 62 nós.

As palavras que se seguem, tem significados precisos:
- iminente – nas seis horas seguintes à publicação do aviso;
- breve – entre 6 a 12 horas após a publicação do aviso;
- tarde - entre 12 a 24 horas após a publicação do aviso.

A visibilidade é descrita da seguinte forma:

Descrição
Extensão da visibilidade
Boa
Mais do que 5 milhas náuticas
Moderada
Entre 2 a 5 milhas náuticas
Fraca
Entre 1.000 metros e 2 milhas náuticas
Nevoeiro
Inferior a 1.000 metros

Em previsões da visibilidade para áreas terrestres, as limitações são inferiores e com a seguinte descrição:

Descrição
Extensão da visibilidade
Nevoeiro
200 a 1.000 metros
Nevoeiro cerrado
Menos de 200 metros
Nevoeiro denso
Menos de 50 metros

O tempo meteorológico geralmente não é incluído nos boletins das estações automáticas. Nos boletins em que aparece, o seu significado é óbvio, chuva, neve, granizo, etc.

A análise geral da pressão e tendência barométrica, costuma fornecer os valores no centro dos sistemas mais importantes, quando as estações costeiras fornecem valores e tendência de valores registados.
A unidade de medida internacional é o hectopascal, por vezes também designado por milibares.

Descrição
Tendência de pressão
Mantendo-se
Variação inferior a 0,1hPa em 3 horas


Subindo lentamente
(Descendo lentamente)
Variação entre 0,1 e 1,5 hPa nas últimas 3 horas


Subindo
(Descendo)
Variação entre 1,6 e 3,5 pHa nas últimas 3 horas


Subindo rapidamente
(Descendo rapidamente)
Variação entre 3,6 e 6,0 pHa nas últimas 3 horas


Descendo agora
(Subindo agora)
Variação subindo para descendo (ou vice-versa) nas últimas 3 horas

Estado do mar:

Descrição
Altura das Vagas (metros)
Estanhado
0
Chão
0 a 0,1
Pequena vaga
0,5 a 1,25
Cavado
1,25 a 2,5
Grosso
2,5 a 4
Alteroso
4 a 6
Tempestuoso
6 a 9
Encapelado
9 a 14
Excepcional
Superior a 14

Por último a simbologia das cartas:



Sem comentários:

Enviar um comentário